Onde tudo é tradição!
Quarta-feira, 27 de Julho de 2005
Ás&Bisca
as_e_bisca.gif
As reformas e pensões....

- Ora, até que enfim que o encontro, compadre Bisca!!!
- Caro compadre Ás, atão vocemecê é que nim por cá aparece e óspois diz que eu é c’ando desaparecido!
- Olhe, a doutora mandou-me fazer umas análises e tenho andado de cá para lá, que até já me passou a doença e tudo!
- Imagino! Com a carteira mais leve até o compadre anda melhor!...
- Mas conte-me o que é que tem feito!
- Olhe, compadre Ás, ando muito desiludido. Se não fossem as festas que por aí têm aparecido acho c‘até já tinha desfalecido…
- Não me diga que ficou com saudade dos burros da serra!...
- Bom, lá isso gostei! Atão nã é que o nosso compadre presidente sabe guiar bem aquela coisa?! Tem jeito para a arreata!!!
- É preciso saber de tudo um pouco!
- Olhe, eu inté lá fiz uma cantiga cando o vi assentado im cima da besta: “Arreata, pum, pum, arreata pum, pum, arreata ó teu burrico….”
- Afinal vocemecê até está contente…
- É sol de pouca dura, compadre, e vou-lhe contar porquê.
- Conte lá…
- Ando triste. Ê já nim compro o jornal, mas lá vou lendo as maiores das primeiras páginas, ali do café. Ele é o nosso ministro das Finanças a receber uma pensão do catano, ele é os gestores dos hospitais com ordenados de luxo, ele é os autarcas da capital a receber fora da lei, ele é brutas carros prós presidentes disto e daquilo, ele é carros prós condutores dos bruta carros, ele é eu sei lá o caraças…
- Não se enerve, compadre, não se enerve, que essa linguagem já me parece que vocemecê está a ficar exaltado…
- Qual exaltado! Indignado!
- Mas porquê? Porque eles ganham muito? Vocemecê é que ganha pouco!
- Ora aí é que bate o ponto. Eu pus-me aqui a falar c’a nha Jaquina e então chegámos a uma acordo. Ela que já domina ali o computador fazia as contas e eu ditava: umas oliveiras na serra, um bocadito ali na Quinta dos Aciprestes, otro bocadito ali no Pobral, a trotinete, mais umas coisitas e assim chegámos à conclusão qu’ inda temos um dinheirito para entregar ó ‘stado…
-E então? Estou curioso!
-Atão é muito simples! A gente vai a Lisboa saber c’anto é que o nosso ministro das Finanças descontou para ter aquela reforma lá do Banco de Portugal e ê, que sou tã Português como ele, quero entregar o mesmo dinheiro para arreceber uma reforma igual….
-Ó compadre, vocemecê não é burro de todo…
-Atã pois! A gente entrega o mesmo que muitos desses compixas entregaram e certamente temos que ter os mesmos direitos…
- Ora toma! Bem pensado!!! Arre, burro!!!

in: Jornal Serras de Ansião, Julho 2005, António Simões


publicado por Mimosa às 05:48
link do artigo | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

30
31


artigos recentes

Bairrada fez a festa da T...

Revista Miradouro Fez um ...

Pouso a caneta e não escr...

De Sol a Sol

Arménio Rosa Medeiros ed...

A FONTE DO MURTAL

Ás&Bisca

FONTE

O RIO

À FONTE DO MURTAL

arquivos

Outubro 2006

Setembro 2006

Maio 2006

Março 2006

Agosto 2005

Julho 2005

Novembro 2004

links
Estamos cá!
blogs SAPO
subscrever feeds